ARTIGOS

O dilema de quem ainda apoia Bolsonaro

por Lucas de Melo Prado

Quanto mais doloroso o sacrifício, maior a crença na existência do imaginário receptor do sacrifício.”

Yuval Noah Harari

Em março deste ano, a equipe de especialista do Imperial College London previu que, no melhor cenário, 44 mil brasileiros morreriam em decorrência da pandemia de COVID-19[1]. Àquela época (parece que já estamos há uma eternidade em distanciamento social), empresários, como Roberto Justus, Luciano Hang e Junior Durski, vieram a público fazer pouco caso das previsões, acusando-as de alarmistas. Em entrevistas e pronunciamentos oficiais em rede nacional, o Presidente Jair Bolsonaro minimizou a doença, referindo-se a ela como uma mera “gripezinha”. Em poucos meses, porém, a realidade parece ter dado conta de dobrar a língua dos negacionistas. No momento que escrevo este texto, em junho de 2020, as curvas estatísticas da epidemia no Brasil, mesmo sem contar os casos subnotificados, romperam a marca prevista pelo Imperial College e continuam em ascensão[2]. O mundo inteiro assiste atônito ao fiasco de Bolsonaro na condução da crise do coronavírus.

Além da COVID-19, o Brasil ainda tem que lidar com uma crise econômica que já se delineava antes mesmo da pandemia[3], uma disputa entre Governo Federal e Governos Estaduais e Municipais[4] e uma crise institucional em que o Palácio do Planalto se contrapõe e ameaça o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF)[5]. Isso sem falar nas investigações envolvendo a fabricação e divulgação de notícias falsas por aliados próximos ao Presidente da República[6], nas ligações da família Bolsonaro com as milícias cariocas[7], nos escândalos de corrupção envolvendo os filhos de Bolsonaro[8] e nas acusações de tentativa de interferência na Polícia Federal para proteger familiares e aliados do Presidente[9]. Esse caldo de crises e escândalos escancara a total incompetência e inabilidade de Bolsonaro. Ainda assim, seu núcleo de apoiadores continua irredutível em não reconhecer o desastre de seu governo. Na última pesquisa XP/Ipespe, realizada entre os dias 9 e 11 de junho deste ano, 28% dos entrevistados ainda avaliavam o governo como ótimo e bom[10]. Como isso se explica? Estariam 28% dos brasileiros tão cegos a ponto de se recusarem a ver o óbvio ululante?

Talvez um pequeno trecho da obra “Homo Deus”, de Yuval Harari[11], quando ele lembra um conto de Jorge Luis Borges e as condições da Campanha Italiana na Primeira Guerra Mundial, contenha uma chave de interpretação que possa nos auxiliar a compreender fenômeno tão estranho.

No conto “Um problema”, Borges[12] se pergunta como Dom Quixote reagiria se, no meio de seus delírios, ele houvesse realmente matado um homem. O próprio Borges propõe três respostas possíveis: ou Quixote continuaria vivendo em seu mundo alucinatório, como se nada houvesse acontecido; ou o terror do assassinato o despertaria de sua loucura para sempre; ou, enfim, não podendo negar a morte do homem, ele buscaria, em sua narrativa imaginária, razões que dariam sentido àquele acontecimento fatídico, aprofundando-se ainda mais em sua loucura. Harari sustenta que essa terceira resposta é comum no ambiente político, onde ela é conhecida como síndrome “nossos rapazes não morreram em vão”. E aqui entra a questão da Campanha Italiana.

A Itália entrou na Primeira Guerra Mundial com o objetivo glorioso de recuperar os territórios de Trento e Trieste do Império Austro-Húngaro. Contudo, ela perdeu as doze batalhas que ali travou. Cada batalha lhe custava mais vidas italianas, e, a cada derrota, seu ímpeto bélico apenas aumentava. Afinal, como os políticos italianos poderiam abandonar o campo de batalha após perderem tantas vidas? Como admitir para as famílias dos mortos que a guerra tinha sido um erro? Seria como se todos aqueles homens tivessem morrido por nada, e isso seria insuportável. Então, ao invés de assumir derrota, os italianos reforçaram sua narrativa de glória patriótica. Para que os primeiros rapazes não tivessem morrido em vão, mais rapazes tiveram que morrer. Por um lado, os reforços de narrativa após cada derrota levaram os italianos a uma tragédia ainda maior. Por outro lado, eles dotaram aquela tragédia de um sentido que a tornava mais palatável.

A terceira resposta no conto de Borges e a experiência italiana na Primeira Guerra Mundial demonstram como nós, seres humanos, temos uma grande necessidade de dar sentido às nossas vidas, em especial aos nossos fracassos, dores e frustrações. É muito difícil admitir grandes perdas se elas não tiveram propósito nenhum. Por isso, nós conferimos propósitos aos nossos sacrifícios, via de regra através de narrações imaginárias, em que selecionamos experiências específicas, que se encaixam bem na história que queremos contar. E “quanto mais nos sacrificamos em benefício de uma história imaginária, mais forte ela se torna, porque desesperadamente queremos dar sentido ao sacrifício e ao sofrimento que causamos”[13].

Essa é uma chave importante para compreender o dilema dos bolsonaristas hoje.

O apoio a Bolsonaro teve e continua tendo um alto custo. Pessoas investiram muito dinheiro, tempo e energia nas ações de promoção do bolsonarismo e de sua fábrica de notícias falsas. Alguns chegaram a abandonar seus empregos. Outros penhoraram sua credibilidade. Famílias inteiras estão cindidas, amizades de décadas estão desfeitas e princípios básicos de dignidade e decência tiveram que ser postos em suspenso. Enquanto o motor do bolsonarismo queima mentira, ódio e agressão, do seu escapamento solta-se uma fumaça espessa de sofrimento que atinge a todos ao seu redor, quer sejam apologistas, opositores ou desavisados.

Neste momento, o real da tragédia brasileira atesta o desastre anunciado que sempre foi Bolsonaro. A narrativa do herói nacional, que colocaria a economia nos trilhos, acabaria com a corrupção política e salvaria o país da ameaça dos comunista do Foro de São Paulo, já não encontra nenhum lastro na realidade – se é que algum dia o encontrou. É bem verdade que a própria alcunha de “mito” há muito indicava o caráter quimérico da figura que se construiu sobre o personagem Bolsonaro. Mas essa foi uma fábula em que seguimentos inteiros da população brasileira decidiram acreditar e ajudar a escrever. Ocorre que a tinta usada para registrar esse conto foi extraída de muita dor e sofrimento. Diante disso, admitir a mentira do bolsonarismo seria admitir também que os imensos sacrifícios e as aflições atrozes que ele causou não tiveram sentido e não serviram para nada. Para muitas pessoas, isso é insuportável. E, por essa razão, elas continuam agarradas à mentira. Repetem-na. Reforçam-na.

O reforço das narrativas bolsonaristas implica também um aprofundamento no delírio. Não é à toa que presenciamos sucessivas subidas de tom de Jair Bolsonaro, seus filhos, seus ministros e seus apoiadores. Manifestações reivindicando o fechamento do Congresso e do STF contam com a participação do Presidente[14]. Filho de Bolsonaro fala abertamente em AI-5 e ruptura institucional[15]. Ministros de Estado sonham com a prisão de Governadores, Prefeitos e Magistrados[16]. Tudo isso sob os aplausos efusivos da claque, que, reproduzindo o comportamento do ídolo, invade hospitais[17], agride profissionais de saúde[18] e atira fogos contra a Suprema Corte[19]. Todos foram longe demais na narrativa e no sofrimento que ela engendra. Comprometeram-se a tal ponto que não podem mais voltar atrás. Como gatos acuados, não tendo aonde fugir, ofendem e atacam.

Pode ser paradoxal, mas, “quanto mais doloroso o sacrifício, maior a crença na existência do imaginário receptor do sacrifício”[20]. As oferendas a Bolsonaro foram numerosas, feitas às custas de muito suplício. Se algo ainda sustenta a base de apoio bolsonarista é a necessidade de garantir que essas oferendas não tenham sido em vão, ainda que, para isso, mais sacrifícios tenham que ser feitos. Assim como na Campanha Italiana da Primeira Guerra Mundial, a exigência de manutenção do discurso bolsonarista já está cobrando seu preço em vida humanas. Mas, enquanto o drama italiano culminou com a ascensão de Benito Mussolini e do fascismo, aqui, apesar de todos os sinais, eu ainda espero que tenhamos melhor sorte.

LUCAS DE MELO PRADO é professor de direito e mestre em ciência jurídica (UNIVALI)


[1]    WALKER, Patrick et al. Report 12: the global impact of COVID-19 and strategies for mitigation and supression. Imperial College London Website, COVID-19 Reports, 26 March 2020. Disponível em: <https://www.imperial.ac.uk/mrc-global-infectious-disease-analysis/covid-19/report-12-global-impact-covid-19/>. Acesso em: 14 jun. 2020.

[2]    BRASIL. Ministério da Saúde. Coronavírus Brasil. 2020. Disponível em: <https://covid.saude.gov.br/>. Acesso em: 16 jun. 2020.

[3]    LINDER, Larissa. Brasil caminha para maior crise econômica de sua história. UOL, 19 maio 2020. Disponível em: <https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2020/05/19/brasil-caminha-para-maior-crise-economica-de-sua-historia.htm>. Acesso em: 15 jun. 2020; BOVESPA fecha em queda após pior mês em mais de 20 anos. G1, 1º abr. 2020. Disponível em: <https://g1.globo.com/economia/noticia/2020/04/01/bovespa.ghtml>. Acesso em: 15 jun. 2020.

[4]    PRADO, Débora; JUNQUEIRA, Cairo. A queda de braço entre governadores e Bolsonaro. Le Monde Diplomatique Brasil, 26 mar. 2020. Disponível em: <https://diplomatique.org.br/a-queda-de-braco-entre-governadores-e-bolsonaro/>. Acesso em: 15 jun. 2020.

[5]    SARDINHA, Edson; SAID, Flávia. Presença em ato agrava crise entre Bolsonaro e Congresso e STF. Congresso em Foco, 15 mar. 2020. Disponível em: <https://congressoemfoco.uol.com.br/governo/presenca-em-ato-agrava-crise-entre-bolsonaro-e-congresso-e-stf/>. Acesso em: 15 jun. 2020; RECONDO, Felipe. Sem precedentes: escalada da crise entre Bolsonaro e o STF. Jota, 29 maio 2020. Disponível em: <https://www.jota.info/opiniao-e-analise/colunas/sem-precedentes/sem-precedentes-escalada-da-crise-entre-bolsonaro-e-o-stf-29052020>. Acesso em: 15 jun. 2020.

[6]    INQUÉRITO do STF sobre fake news: entenda as polêmicas da investigação que provoca atrito entre Bolsonaro e a Corte. BBC News Brasil, 27 maio 2020. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/brasil-52824346>. Acesso em: 15 jun. 2020.

[7]    CALIXTO, Larissa. Dez fatos que ligam a família Bolsonaro a milicianos. Congresso em Foco, 23 dez. 2019. Disponível em: <https://congressoemfoco.uol.com.br/congresso-em-foco/dez-fatos-que-ligam-a-familia-bolsonaro-a-milicianos/>. Acesso em: 15 jun. 2020.

[8]    AS 6 frentes de investigação que envolvem a família Bolsonaro. BBC News Brasil, 24 dez. 2019. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/brasil-50810066>. Acesso em: 15 jun. 2020.

[9]    BENITES, Afons; BEDINELLI, Talita. Sérgio Moro acusa Bolsonaro de interferência política na PF e deixa governo. El País Brasil, 24 abr. 2020. Disponível em: <https://brasil.elpais.com/brasil/2020-04-24/sergio-moro-acusa-bolsonaro-de-interferencia-politica-na-pf-e-deixa-governo.html>. Acesso em: 15 jun. 2020.

[10]  XP INVESTIMENTOS. Pesquisa XP Ipespe: 9 a 11 de junho de 2020. Portal XP Investimentos, Histórico de Pesquisas XP, XP Política, jun. 2020. Disponível em: <https://conteudos.xpi.com.br/wp-content/uploads/2020/06/Pesquisa-XP_-2020_06-v2.pdf>. Acesso em: 15 jun. 2020.

[11]  HARARI, Yuval Noah. Homo Deus: uma breve história do amanhã. Trad. Paulo Geiger. São Paulo: Companhia das Letras, 2016. p. 302-307.

[12]  BORGES, Jorge Luis. Un problema. Ciudad Seva: Casa Digital del Escritor Luis López Nieves, 1960. Disponível em: <https://ciudadseva.com/texto/un-problema/>. Acesso em: 15 jun. 2020.

[13]  HARARI, Yuval Noah. Homo Deus: uma breve história do amanhã. Trad. Paulo Geiger. São Paulo: Companhia das Letras, 2016. p. 303.

[14]  BOLSONARO volta a apoiar ato antidemocrático contra o STF e o Congresso, em Brasília. G1, Fantástico, 3 maio 2020. Disponível em: <https://g1.globo.com/fantastico/noticia/2020/05/03/bolsonaro-volta-a-apoiar-ato-antidemocratico-contra-o-stf-e-o-congresso-em-brasilia.ghtml>. Acesso em: 15 jun. 2020.

[15]  EDUARDO Bolsonaro fala em novo AI-5 “se esquerda radicalizar”. UOL, 31 out. 2019. Disponível em: <https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2019/10/31/eduardo-bolsonaro-fala-em-novo-ai-5-se-esquerda-radicalizar.htm>. Acesso em: 15 jun. 2020; EDUARDO Bolsonaro diz que haverá “ruptura institucional no país. Correio Brasiliense, 28 maio 2020. Disponível em: <https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica/2020/05/28/interna_politica,858869/eduardo-bolsonaro-diz-que-havera-ruptura-institucional-no-pais.shtml>. Acesso em: 15 jun. 2020.

[16]  MACEDO, Fausto et al. Em vídeo, Weintraub pede prisão de ministros do STF e Damares, de governadores. UOL, Política, 12 maio 2020. Disponível em: <https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2020/05/12/em-video-weintraub-pede-prisao-de-ministros-do-stf-e-damares-de-governadores.htm>. Acesso em: 15 jun. 2020.

[17]  LEAL, Arthur. Grupo chuta portas e derruba computadores em alas de pacientes com covid-19 no Ronaldo Gazolla. O Globo, 12 jun. 2020. Disponível em: <https://oglobo.globo.com/rio/grupo-chuta-portas-derruba-computadores-em-alas-de-pacientes-com-covid-19-no-ronaldo-gazolla-24477088>. Acesso em: 15 jun. 2020.

[18]  ‘PROFISSIONAIS no mundo são aplaudidos, e no Brasil a gente apanha’, diz enfermeira agredida em ato no DF. G1 DF, 1º maio 2020. Disponível em: <https://g1.globo.com/df/distrito-federal/noticia/2020/05/01/profissionais-no-mundo-sao-aplaudidos-e-no-brasil-a-gente-apanha-diz-enfermeira-agredida-em-ato-no-df.ghtml>. Acesso em: 15 jun. 2020; MARTINS, Marco Antônio. Médica agredida após reclamar de festa durante isolamento social no Rio passa por cirurgia e coloca parafusos na perna. G1 Rio, 13 jun. 2020. Disponível em: <https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2020/06/13/medica-agredida-apos-reclamar-de-festa-durante-isolamento-social-no-rio-passa-por-cirurgia-e-coloca-parafusos-na-perna.ghtml>. Acesso em: 15 jun. 2020.

[19]  GRUPO de apoiadores de Bolsonaro lança fogos de artifício contra o prédio do STF. G1, Política, Brasília, 14 jun. 2020. Disponível em: <https://g1.globo.com/politica/noticia/2020/06/14/grupo-de-apoiadores-de-bolsonaro-lanca-fogos-de-artificio-contra-o-predio-do-stf.ghtml>. Acesso em: 15 jun. 2020.

[20]  HARARI, Yuval Noah. Homo Deus: uma breve história do amanhã. Trad. Paulo Geiger. São Paulo: Companhia das Letras, 2016. p. 305.

Categorias:ARTIGOS

Marcado como:

1 resposta »

  1. Não há o que discutir, os políticos e o sistema por completo que distruiu os nossos jovens, promovendo a divisão da Família, está agonizando.
    Eu votei nos ideais defendido por Bolsonaro e não vejo alternativa melhor para nosso País.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.