ARTIGOS

Castração do clitóris mental

por Civa Cibele

Já tinha lido o relato da história das mulheres do Quênia, por Ayan Hirsi, que no livro “Infiel” conta como seu clitóris foi mutilado pela cultura religiosa.

Também conheço narrativas de tribos latino-americanas que têm essa prática. Mas não me reconhecia num lugar de castrada porque minha genitália está intacta.

Sim, possuo órgão genital feminino, que também nunca sofreu estupro. Ou seja, sem traumas físicos, nada seguraria o prazer dessa mulher, correto? Engano. Tão poderoso quanto o físico, o trauma da castração mental bloqueia as sinapses prazerosas do estímulo nessa região, a ponto de ser decodificado pelo cérebro como “agonia” algo que o corpo reage como prazer.

Mesmo o estímulo carinhoso e consentido, realizado seja por homem, mulher ou terapeuta tântrico, era incapaz de acessar o prazer, bloqueado por uma mulher castrada mentalmente.

O machismo é como um verme que invade a mente e corrói as sinapses nervosas. Cresci rodeada por homens e, com uma total falta de educação sexual feminina, acabei isolando de mim mesma a sensibilidade do meu próprio corpo e inutilizando meu clítoris por anos. Só me masturbei aos 27 anos depois de assistir a uma peça teatral “monólogos da vagina” (o teatro revoluciona).

Hoje, finalmente, decretei meu clitóris independente da vagina e, numa sessão de massagem tântrica, acessei o prazer unicamente clitoriano. Para uma mulher de 38 anos, descobrir a possibilidade de uma des-castração mental é dar mais um passo na des-coberta de meu corpo feminino. Mais: uma razão para defender a bandeira da terapia tântrica como algo necessário e também revolucionário.

Termino com Bob Marley quando diz “none but ourselves can free our minds”. Grata aos meus terapeutas tântricos por esse decreto revolucionário em minha vida. Queria que fosse um decreto presidencial, mas uma mulher que goza com seu clítoris tá fodendo para o retrocesso, com todo o respeito.

CIVA CIBELE é o pseudônimo de uma brasileira nascida em uma família religiosos. É jurista, escritora e mestra em Direito.

Categorias:ARTIGOS

Marcado como:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.