ARTIGOS

E daí que essa é a minha opinião!

por Valdete Souto Severo

Cada vez mais nos deparamos com discursos pretensamente científicos ou jurídicos, em que o interlocutor faz afirmações apoiado no pressuposto: essa é a minha opinião.

Recentemente, ouvi também o argumento de que estamos disputando narrativas. E, em seguida, a frase sempre presente: não irei convencê-lo, não pretenda convencer-me, fiquemos cada um com nossas verdades. Essa frase revela, de modo emblemático, a crise de civilização que estamos atravessando. Uma espécie de revolta histórica contra o que construímos até aqui. Pessoas estão morrendo e o isolamento físico é a única medida eficaz, de acordo com a OMS.

Nossos números não revelam a agressividade da COVID-19, basta ver o aumento expressivo de óbitos em casa e de mortes por insuficiência respiratória ou pneumonia.

Nosso presidente não é médico, nem cientista.

Cloroquina é um remédio que causa problemas renais e por isso não deve ser administrado sem recomendação médica. Sem universidade pública não há pesquisa capaz de nos permitir enfrentar a pandemia. Sem saúde pública não há como dar conta de nossos doentes.

Mais de um milhão de brasileiros perderam o emprego apenas este ano, apesar da falsa solução da MP 936. Reduzir salário promove endividamento e, consequentemente, redução de consumo. O dólar atingiu a marca de R$ 5,8. São fatos. Assim como é fato que nosso presidente, ao ser questionado sobre o aumento do número de mortos, respondeu “e daí?”.

Um governante, cuja preocupação primeira é blindar os próprios filhos de investigações. Corrupção, em seu sentido mais claro. Sua prioridade é editar medida blindando agentes públicos de suas responsabilidades. Sua prioridade é auxiliar bancos.

Seu domingo é de diversão, andando de jet ski, enquanto covas coletivas são abertas em ritmo fordista, empresas nacionais são fechadas por falta de amparo estatal, pessoas passam fome.

O nosso mundo, que há muito é mais aparência do que essência, desmorona diante de nossos olhos. E o eleito responde “e daí?”. Diante dessa distopia muitos se afastam, não lêem notícias. Refugiam-se em livros, filmes ou práticas que os impeçam de enlouquecer. Não adianta.

Esse desmoronamento nos atingirá a todos. Um pacto de convívio social foi rompido. Não há retorno possível. Então, nossa escolha fundamental é enterrar a cabeça na areia ou ser agente da formulação do que virá. Não há como saber o que nos aguarda, pois os efeitos dos estragos hoje praticados por escolha deliberada de pessoas que ocupam diferentes postos de poder serão profundos e permanecerão por muito tempo.

Mas podemos e devemos escolher pelo que queremos lutar. É urgente reinventar um mundo possível, em que o consumo seja diverso, assim como diferente seja a forma de distribuição da riqueza, de apropriação dos resultados do trabalho humano e de interação com a natureza. Não seremos mais o que já fomos e o que a partir de agora construiremos coletivamente depende de nós. Viver em sociedade precisa voltar a fazer sentido.

VALDETE SOUTO SEVERO é juíza do trabalho (TRT/4), presidenta da AJD – Associação Juízes para a Democracia e doutora em Direito do Trabalho pela USP/SP

Categorias:ARTIGOS

Marcado como:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.