ARTIGOS

Amzônia devastada

por José Ernani Almeida

Foto de Matheus Belem

A devastação da Amazônia pela ganância de uns poucos desmatadores e mineradores, aliada ao descaso do governo com o meio ambiente, podem custar caro aos pecuaristas e produtores brasileiros.

Investidores internacionais, com capital de 3,75 trilhões de dólares em ativos, anunciaram a intenção de retirar recursos da produção de carne e grãos do Brasil se não virem progresso no combate ao crescente desmatamento da Amazônia.

Se presidentes anteriores tiveram a clara dimensão do que representa a preservação da Amazônia para a imagem do Brasil no mundo, Bolsonaro está praticando uma verdadeira autofagia na imagem nacional.

É preciso lembrar que já tivemos na Secretaria do Meio-Ambiente figuras como o ambientalista José Lutzenberger, no governo Collor, e , Marina Silva, internacionalmente reconhecida, no Ministério de Lula. 

Agora, temos um ministro que responde processo por improbidade, por adulterar mapas e a minuta do decreto do Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental da Várzea do Rio Tietê, em benefício de empresas de mineração filiadas à Fiesp.

Mais. Em reunião ministerial aconselhou o descumprimento das leis ambientais para “ fazer passar a boiada”, enquanto a mídia se preocupa com a pandemia.

Na verdade, há um desmonte da proteção ambiental, que levou décadas para ser construída. Isso favorece a atuação de grupos criminosos. O ministro está comprometido com uma pauta antiambiental. Quer liberar a exploração de terras indígenas e unidades de conservação.

Não é à toa que o MP está pedindo o seu afastamento. Ricardo Salles, o ministro do Exterior e Bolsonaro possuem uma visão totalmente equivocada sobre a questão ambiental, que levou o país ao descrédito na comunidade mundial.

Fica claro a razão que Bolsonaro, mesmo antes da pandemia, não tenha sido convidado a frequentar nenhum salão da Europa Ocidental e tenha sempre sua figura associada à degradação ambiental e ao abandono das populações indígenas.

O INPE mostra que no ano passado, o desmatamento da Amazônia atingiu o maior índice em 11 anos. Nos cinco primeiros meses de 2020, devastação aumentou 34%.

Pobre Brasil, entregue a irresponsabilidade de um governo, que parece ter como tônica, a destruição de todos os valores mais caros de nossa cultura, costumes e a própria riqueza natural.

JOSÉ ERNANI ALMEIDA é professor de história do Brasil e especialista em história pela UPF/RS

Categorias:ARTIGOS

Marcado como:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.