ARTIGOS

O vírus e o verme

por Gabriela Duarte

O reinado de Luís XIV, no século XVIII, foi o auge do absolutismo francês e ficou simbolicamente sintetizado na máxima: “o Estado sou eu”. Luís XIV detinha todos os poderes e era considerado a personificação de Deus na Terra. Tudo o que ele falava era louvado, já que as palavras do rei eram sempre sagradas. Os súditos lhe deviam obediência, respeito e não podiam confrontá-lo jamais. As decisões reais eram acatadas por todos, sem exceção.

Hoje, em pleno século XXI, em meio a um dos maiores desafios das últimas décadas, temos um paralelismo com o velho absolutismo francês.

Questionando cientistas, dados estatísticos, a OMS, as notícias dos veículos de comunicação e os governadores do próprio país, Bolsonaro sonha, dentro de uma democracia instituída(?), em ser tão absoluto quanto Luis XIV.

Ao desobedecer e debochar das recomendações técnicas, tachando de “gripezinha” ou de “histeria” um vírus que já matou milhares de pessoas, Bolsonaro mostra sua face insana, fascista e totalitária.

O curioso é que um rei absolutista nunca sobrevive sem súditos, que agora bem podem ser comparados a um rebanho de animais prontos para o abate. O rebanho de fiéis escuta o presidente e abaixa a cabeça.

Geralmente não questionam o seu soberano e o veem como um ser perfeito. Por isso insistem na reverência mitológica ao presidente.

Essencialmente autoritário, o presidente não admite ser contrariado, mesmo que as críticas venham de órgãos de renome e cacife mundial.

Como uma espécie de Dom Quixote fascista, levanta a sua espada e declara guerra a todos que ousam contrariá-lo. A diplomacia não aparece em seu discurso, pois o seu principal objetivo é impor a sua imutável visão dos fatos.

Por se entender superior aos súditos mortais, minimiza a ameaça do vírus, já que pensa-se atleta (?). Com sua autoestima aparentemente inabalável, segue conduzindo parte do Brasil insano à insanidade.

O slogan do movimento “O Brasil não pode parar”, custeado pelo povo, demonstra a ineficácia, a audácia louca e a traço quixotesco de nosso timoneiro.

Em meio ao caos, suas palavras e ações ecoam pela população tosca, tão suscetível ao vírus quanto ao verme. Um mata o corpo, o outro a inteligência.

GABRIELA DUARTE é jornalista

Categorias:ARTIGOS

Marcado como:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.