Sem categoria

Bolsonaro quer extinguir jornalistas

por José Ernani Almeida

Em mais uma de suas declarações estapafúrdias, Jair Bolsonaro voltou-se novamente contra a imprensa ao dizer que “jornalistas são uma raça em extinção” e que “ler jornais envenena”.

Esta é a típica postura fascista que promove o anti-intelectualismo, ataca universidades e sistemas educacionais, a imprensa que poderiam contestar suas ideias.

Depois de um tempo, com essas técnicas, a política fascista acaba por criar um estado de irrealidade, em que as teorias da conspiração e as notícias falsas tomam o lugar do debate fundamentado.

Nas entrelinhas de mais esta parvoíce do presidente fica claro o desejo de acabar com o jornalismo crítico e independente. Fica patente o perfil do censor, a herança autoritária dos tempos da ditadura militar, da qual o ex-capitão é um ardoroso apologista.

Extinguir o jornalista é pensar o ato de proibir e censurar, de se negar à sociedade o direito de acesso a informação balizada pela liberdade e pelo princípio da verdade.

Estas são questões datadas, frutos de um momento histórico passado, apesar de ainda frequentarem, mesmo que em menor escala, o nosso presente. Depois da ameaça da volta do AI-5, agora o clã Bolsonaro quer acabar com os jornalistas? Ulala!

Ler jornais envenena, segundo Bolsonaro. Não estaria o ocupante do Palácio do Planalto preocupado com as informações corretas, plurais e respeitadoras dos direitos de todos que a expressiva maioria de nossa mídia impressa publica diariamente? Estaria um governo, especialista em Fake News, descontente com a verdade ?

Para a jornalista Anna Landers, a verdade é nua, ao passo que a mentira sempre é bem vestida. Isto é, a mentira é vestida para seduzir e induzir ao erro.

A hostilidade de Bolsonaro em relação à mídia atinge níveis alarmantes e a ameaça a liberdade de informação está se tornando algo comum de parte do atual governo.

Hoje, mais do que nunca, o trabalho dos jornalistas torna-se fundamental para a manutenção de nossos verdadeiros valores democráticos. Nenhuma conduta que implique a supressão do trabalho da imprensa é uma conduta correta.

Tanto os homens do poder quanto os intelectuais revolucionários sempre tiveram consciência da força da palavra. As autoridades oficiais sempre viram o intelectual e o profissional da imprensa como cidadãos perigosos e, se comunistas, “desde há muito, tanto mais temíveis”.

Por aqui, isto insiste em se repetir !

JOSÉ ERNANI ALMEIDA é professor de história do Brasil e especialista em história pela UPF/RS

Categorias:Sem categoria

Marcado como:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.